A paralisação nacional terá duração de 24 horas e é um protesto contra a Medida Provisória número 568/2012, que reduz em até 50% os salários dos médicos servidores públicos federais ativos e inativos

O Cremego convoca os médicos goianos que atuam no serviço público federal a participarem do protesto nacional da classe médica, paralisando suas atividades na próxima terça-feira, dia 12. A paralisação terá 24 horas de duração e foi a forma encontrada por médicos de todo o país para manifestarem a indignação e a insatisfação da categoria com a Medida Provisória número 568/2012, editada no dia 14 de maio.

A MP, que vem sendo alvo de protestos e manifestações do Conselho Federal de Medicina (CFM), Federação Nacional dos Médicos (Fenam) e Associação Médica Brasileira (AMB), reduz os salários dos médicos federais em até 50%.  De acordo com a MP, médicos que têm hoje uma jornada de 20 horas/semanais no serviço público, ao ingressarem na carreira teriam que cumprir 40 horas/semanais pelo mesmo valor, ou seja, uma redução pela metade na remuneração.

De acordo com a Fenam, a medida vai atingir cerca de 42 mil médicos ativos e inativos do Ministério da Saúde e  aproximadamente 7 mil do Ministério da Educação, inclusive, aposentados e pensionistas.

Conforme citado no Boletim Eletrônico número 326, os artigos 42 e 47 da MP 568/2012, prejudicam os atuais e futuros servidores médicos dobrando jornadas sem acréscimo de vencimentos, reduzindo a remuneração em até metade e cortando valores de insalubridade e periculosidade.

Na última terça-feira, dia 5, durante a Audiência Pública Mista (Câmara dos Deputados e Senado da República), que debateu a MP 568/2012, as entidades médicas protestaram contra os cortes. Os líderes do governo na Câmara, Arlindo Chinaglia (PT-SP), e no Senado, Eduardo Braga (PMDB-AM) afirmaram que vão trabalhar para corrigir erros da MP 568/12 com o objetivo de evitar que médicos de hospitais públicos  tenham perdas salariais. O deputado federal goiano Ronaldo Caiado (DEM) também trabalha neste sentido.

Há o indicativo de que o relatório do senador Eduardo Braga seja apresentado na próxima terça-feira, 12 de junho, em nova reunião da Comissão Mista, em Brasília (DF). Na mesma data, segundo o presidente do Cremego, Salomão Rodrigues Filho, os médicos devem paralisar suas atividades, para chamar a atenção dos parlamentares e alertar a sociedade sobre o impacto negativo da decisão para o atendimento à população, especialmente nos hospitais universitários e federais.

 

Leia mais sobre o assunto

MP 568/2012 coloca médicos em estado de alerta

 

Modelo de cartaz

 

O Cremego sugere um modelo de cartaz para que os médicos copiem, imprimam e afixem em seus consultórios, alertando os pacientes sobre a paralisação nacional de 12 de junho.

 

 

PARALISAÇÃO NACIONAL

12 DE JUNHO

Médicos vão suspender o atendimento no serviço público federal

 

 

Nesta terça-feira, 12 de junho, os médicos de todo o país vão suspender por 24 horas o atendimento nos hospitais universitários e serviços públicos federais.

 

A paralisação é um protesto contra a Medida Provisória nº 568/2012, que reduz pela metade os salários dos médicos servidores públicos federais.

O Conselho Regional de Medicina do Estado de Goiás (Cremego), o Sindicato dos Médicos no Estado de Goiás (Simego), o Conselho Federal de Medicina (CFM), a Federação Nacional dos Médicos (Fenam) e a Associação Médica Brasileira (AMB) contam com a participação dos médicos goianos.

A classe médica conta com o apoio da sociedade. Digam não à redução salarial dos médicos, digam não ao desrespeito à classe médica, digam não a essa ameaça à qualidade do atendimento médico no serviço público federal.

 

 

Cremego  Simego CFM Fenam AMB

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.