Boletim Eletrônico Nº 398 04/07/13

 

Passeata em Goiânia reúne cerca de 2,3 mil

médicos e acadêmicos de medicina

 

Cerca de 2,3 mil médicos e acadêmicos de medicina saíram às ruas em Goiânia, na tarde de 3 de julho, para protestar contra a proposta de importação de médicos formados no exterior sem a revalidação dos diplomas, em defesa da saúde pública e a favor da sanção sem vetos do projeto que regulamenta o exercício da medicina no Brasil.

A passeata, organizada pelo Comitê das Entidades Médicas do Estado de Goiás (Cemeg), formado pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de Goiás (Cremego), Associação Médica de Goiás e Sindicato dos Médicos no Estado de Goiás (Simego), saiu da sede do Cremego, por volta das 16 horas, em direção ao Hospital Geral de Goiânia Dr. Alberto Rassi (HGG). Durante o percurso, os manifestantes receberam o apoio da população, que aplaudia o grupo e criticava o descaso do governo com a saúde pública no País.

Os presidentes do Cremego, Salomão Rodrigues Filho; da AMG, Rui Gilberto Ferreira; e em exercício do Simego, Rafael Cardoso Martinez, seguiram à frente da passeata, carregando uma faixa com dizeres em defesa da criação da carreira de Estado para o médico, uma das reivindicações dos manifestantes. Também com faixas e cartazes, os médicos e acadêmicos de medicina seguiram pelas Avenidas T-7, Assis Chateaubriand, República do Líbano e Anhanguera, chamando a atenção da população para o risco que a importação irregular de médicos representa para a saúde, denunciando a falta de investimentos no Sistema Único de Saúde e pedindo a saída do ministro da Saúde, Alexandre Padilha.

A passeata teve ampla cobertura da imprensa e terminou na porta do HGG, onde os manifestantes gritaram palavras de ordem em defesa da saúde pública e da classe médica, cantaram o Hino Nacional e deram um abraço simbólico no prédio.

Para conferir as fotos e cobertura da manifestação, acesse a página do Cremego no facebook.

 

Entidades agradecem a participação

dos médicos e acadêmicos

 

Os médicos e acadêmicos de medicina goianos deram um exemplo de mobilização e democracia ao saírem às ruas de forma pacífica, organizada e mostrarem à sociedade as legítimas reivindicações da classe médica. O apoio recebido da população durante a passeata reforça que estamos no caminho certo nesta luta em defesa da classe médica e da saúde pública.

O Cremego, a AMG e o Simego agradecem a participação de todos os médicos e acadêmicos que interromperam seu trabalho na tarde desta quarta-feira e participaram da manifestação. Agradecemos também aos que apoiaram nossas reivindicações nas redes sociais e em manifestações individuais.

A participação de cada um de vocês foi fundamental para o sucesso desta manifestação. Parabéns, muito obrigado a todos e vamos continuar unidos em defesa da classe médica e da saúde de qualidade!

 

Presidente do Cremego diz que médicos vão continuar mobilizados

 

O presidente do Cremego, Salomão Rodrigues Filho, diz que os médicos de todo o País vão continuar mobilizados em defesa da saúde pública e contra a proposta de importação irregular de médicos. Ele explica que a classe médica brasileira não é contra a vinda de médicos estrangeiros para o País. “Em Goiás, por exemplo, temos atualmente 299 médicos formados no exterior, que trabalham legalmente no Estado”, afirma, ressaltando que o que o Cremego e os médicos brasileiros condenam é a proposta do Governo Federal de facilitar a entrada no País de médicos formados no exterior, isentando esses profissionais de se submeterem ao exame de revalidação de seus diplomas.

“Entendemos que sem essa revalidação, não teremos a comprovação de que esse médico está apto a atender nossa população e o Cremego não vai registrar os profissionais estrangeiros que não tiverem o diploma revalidado, portanto, eles não poderão atuar em Goiás”, afirma, adiantando que o mesmo será feito pelos outros Conselhos Regionais de Medicina.

Nos próximos dias, as entidades médicas vão anunciar novas formas de mobilização contra essa proposta de importação irregular de médicos e também em defesa da melhoria do Sistema Único de Saúde (SUS) e da criação de uma carreira de Estado para o médico. “Defendemos essas mudanças, pois estamos certos que não basta aumentar o número de médicos no País, é preciso, sim, dar condições de atendimento, uma remuneração digna e garantias trabalhistas a esses profissionais”, afirma o presidente do Cremego, que orienta os médicos a ficarem atentos aos informativos oficiais das entidades médicas e a também participarem das mobilizações e discussões sobre temas de interesse da categoria. 

 

Brasil ganha canal na internet para mostrar a realidade do SUS

 

Já está no ar o www.sossaude.org.br, um espaço virtual para o compartilhamento de relatos dos usuários e profissionais do sistema público de saúde. Para fazer suas denúncias e dividir suas experiências, por meio do envio de textos, fotos e vídeos, ou ler o que outros já postaram, o internauta deve acessar o link “Envie seu depoimento”, que o levará para a página do facebook do SOS Saúde.

A criação da página é um compromisso assumido pelas entidades médicas – Conselho Federal de Medicina (CFM), a Associação Médica Brasileira (AMB), Associação Nacional de Médicos Residentes (ANMR) e a Federação Nacional dos Médicos (Fenam) – em reunião realizada semana passada.

 

Boletim Eletrônico – Ano 7 Nº 398 04/07/2013

Edição: Rosane Rodrigues da Cunha – MTb 764 JP
Assessora de Comunicação – Cremego 
www.www.cremego.org.br
imprensa@cremego.org.br
(62) 3250 4900

 

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.