Boletim Eletrônico Nº 388 27/05/13 

  

25 DE MAIO – PROTESTO NACIONAL  

Médicos e acadêmicos goianos participam de passeata em defesa do Revalida  

          Cerca de cem médicos e acadêmicos de Medicina da Universidade Federal de Goiás (UFG), Pontifícia Universidade Católica de Goiás (PUC/GO), Centro Universitário de Anápolis (Unievangélica) e Universidade de Rio Verde (Fesurv) participaram no último sábado, dia 25 de maio, de uma passeata contra a intenção do Governo Federal de contratar médicos formados no exterior sem a devida revalidação de seus diplomas. A mobilização, batizada de “Revalida, Sim!”, fez parte de um protesto realizado em todo o País em defesa da exigência da aprovação dos médicos formados no exterior no teste de revalidação de seus diplomas para a atuação no Brasil.

Em Goiânia, os manifestantes se concentraram na porta do Ciams do Setor Pedro Ludovico e saíram em passeata por ruas próximas, chamando a atenção da sociedade para o absurdo da proposta que visa facilitar a entrada no Brasil de médicos, principalmente de Cuba, Portugal e Espanha, para atuar no interior e na periferia das grandes cidades.

Em entrevista ao jornal O Popular, o presidente do centro acadêmico do curso de Medicina da PUC/GO, Gilberto Borges, observou que nessas localidades não faltam médicos e, sim, condições de trabalho para a classe médica. O presidente do Sindicato dos Médicos no Estado de Goiás (Simego), Leonardo Reis, que participou da mobilização, ressaltou que é inconcebível que médicos formados no exterior possam trabalhar no Brasil sem ter seus conhecimentos previamente avaliados.

Ele também defendeu a necessidade da oferta de condições adequadas de trabalho, de remuneração digna e da criação de uma carreira de Estado para que os médicos brasileiros possam trabalhar nas regiões nas quais há escassez desses profissionais.

  

Comitê das Entidades Médicas agradece a mobilização dos acadêmicos de medicina 

  O Comitê das Entidades Médicas de Goiás, formado pelo Conselho Regional de Medicina do Estado de Goiás (Cremego), Associação Médica de Goiás (AMG) e Sindicato dos Médicos no Estado de Goiás (Simego), agradece a grande participação dos acadêmicos de medicina na mobilização contra a proposta do Governo Federal de importação de médicos estrangeiros e de brasileiros formados no exterior sem que sejam obedecidos os critérios legais para a revalidação de seus diplomas. 

O presidente do Cremego, Salomão Rodrigues Filho, ressalta que o envolvimento dos acadêmicos fortalece, em muito, essa luta, já abraçada pela classe médica e pelas entidades representativas da categoria. Ele observa que a união e a participação de todos – entidades de classe, médicos e acadêmicos – são fundamentais para chamar a atenção do Governo Federal e da sociedade para os riscos representados por essa proposta.

As entidades médicas estão trabalhando para mostrar ao Governo Federal que a solução para os problemas de distribuição de médicos no País não está na importação de profissionais sem comprovada qualificação técnica, mas na oferta de condições de trabalho e de remuneração, que estimulem o médico a ingressar e a permanecer no serviço público.

O Comitê das Entidades Médicas de Goiás reitera o agradecimento aos acadêmicos e aos médicos, que já fazem parte da mobilização em defesa do Revalida, da classe médica e da assistência de qualidade à população, e continua contando com a participação de todos nesta luta.

  

  

CFM propõe criação de Programa de 

Interiorização do Médico Brasileiro 

  A criação de um Programa de Interiorização do Médico Brasileiro é a principal proposta do Conselho Federal de Medicina (CFM) para levar médicos brasileiros a trabalharem no interior do país. A solução é vista pela entidade como opção segura para garantir a imediata interiorização da Medicina, que valoriza o profissional nacional, estimula a melhora da infraestrutura de trabalho e cria condições efetivas para atração e fixação dos médicos em áreas remotas. A medida teria caráter emergencial e transitório, com validade máxima de 36 meses. 

O documento, aprovado pelo Plenário do CFM, foi entregue no dia 24 de maio ao Palácio do Planalto e aos ministérios da Saúde, Educação e das Relações Exteriores. A proposta, que ainda contempla outras duas medidas, também foi encaminhada ao Senado Federal, Câmara dos Deputados, Supremo Tribunal Federal (STF), Superior Tribunal de Justiça (STJ) e à Procuradoria-Geral da República (PGR). 

No entendimento dos conselheiros, o Programa de Interiorização do Médico Brasileiro corrige distorções de ações anteriores do Governo. A proposta do CFM quer alocar profissionais em cidades de até 50 mil habitantes, nas regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste. Após a apresentação das propostas, o Conselho de Medicina se colocou novamente à disposição para dialogar com o Governo. 

“Os médicos brasileiros querem colaborar com esse processo de forma ativa e estão abertos ao diálogo. Esperamos que nossas propostas possam ser recebidas como um sinal de nosso empenho em atender às necessidades da população, cercando-a de profissionais competentes, comprometidos, bem preparados e estimulados a cumprir sua missão de levar o bem estar e salvar vidas”, explica o documento. Clique aqui e confira a proposta(Fonte: CFM) 

  

Médicos da SES fazem paralisação 

de advertência nos dias 27 e 28 de maio 

  Os médicos vinculados à Secretaria Estadual de Saúde (SES) deflagraram nesta segunda-feira, 27 de maio, uma paralisação de advertência. A greve terá 48 horas de duração. Segundo o Sindicato dos Médicos no Estado de Goiás (Simego), durante a paralisação, somente os casos de urgência e emergência devem ser atendidos nas unidades da rede pública estadual de saúde. 

A deflagração da greve foi aprovada na assembleia geral da categoria convocada pelo Simego e realizada no dia 21 de maio. O presidente do sindicato, Leonardo Reis, explica que essa paralisação de advertência foi a alternativa encontrada pelos médicos para protestar contra o não atendimento das reivindicações da categoria pela SES. 

A pauta de reivindicações foi aprovada na assembleia geral dos médicos de 21 de março e enviada à Secretaria Estadual de Saúde. Dois meses depois e ainda sem uma resposta positiva da SES, os médicos decidiram suspender o atendimento por dois dias. A categoria reivindica a implantação imediata do Plano de Cargos Carreiras e Vencimentos (PCCV), com cargo específico para os servidores médicos e melhoria das condições de trabalho; adoção do piso da Fenam para 20 horas semanais no valor de R$ 10.412,00 e a possibilidade da dobra da jornada de trabalho na mesma matrícula de 20 horas semanais para 40 horas semanais. 

         O Cremego apoia as reivindicações dos médicos, mas alerta que é preciso garantir os atendimentos de urgência e emergência, cuja manutenção já foi anunciada pelo Simego. (Com informações: Simego) 

   

Empossadas novas Comissões  

de Ética Médica  

No dia 22 de maio, o Cremego empossou os membros das Comissões de Ética Médica da Angiocardis Hemodinâmica e Angiografia Digital, Clínica Exame, Centro de Reabilitação e Readptação Dr. Henrique Santillo, Equipe de Anestesia, Foccos Centro Médico, Hospital Amparo, Hospital Araújo Jorge, Hospital de Doenças Tropicais Dr. Anuar Auad, Hospital de Olhos Aparecida de Goiânia, Hospital de Urgências de Aparecida de Goiânia, Hospital do Coração, Maternidade Dona Íris e Siate. A solenidade de posse foi realizada na sede do Cremego e coordenada pelo 2º secretário do Cremego, Erso Guimarães; a corregedora de Processo, Lívia Barros Garção, e o conselheiro Luiz Humberto Garcia de Souza.  

   

Boletim Eletrônico – Ano 7 Nº 388 27/05/2013 

Edição: Rosane Rodrigues da Cunha – MTb 764 JP
Assessora de Comunicação – Cremego 
www.www.cremego.org.br
imprensa@cremego.org.br
(62) 3250 4900
 

 

Aviso de Privacidade
Nós usamos cookies para melhorar sua experiência de navegação no portal. Ao utilizar o Portal Médico, você concorda com a política de monitoramento de cookies. Para ter mais informações sobre como isso é feito, acesse Política de cookies. Se você concorda, clique em ACEITO.