Rede dos Conselhos de Medicina
Selecione o Conselho que deseja acessar:
Busca de Normas
Selecione o(s) tipo(s) de norma: Resoluções

Resoluções são atos normativos emanados dos plenários do Conselho Federal de Medicina e de alguns dos Conselhos Regionais de Medicina que regulam temas de competência privativa dessas entidades em suas áreas de alcance, com poder coercitivo.

Pareceres

Pareceres são os relatórios finais sobre questionamentos enviados ao Conselhos Federal e Regionais de Medicina referente às suas competências legais.

Recomendações

Recomendações são indicações concebidas pelo Plenário do Conselho Federal de Medicina para orientar os profissionais médicos, sem poder coercitivo.

Notas Técnicas

Notas Técnicas são manifestações técnico-jurídicas emitidas pela Coordenação Jurídica do Conselho Federal de Medicina aprovadas pela Diretória.

Despachos

Despachos são manifestações técnico-jurídicas emitidas pela Coordenação Jurídica do Conselho Federal de Medicina aprovadas pela Diretória.

Selecione o estado:
Número:
Ano:
Assunto:
Texto a ser buscado:
Limpar Busca
Busca de Normas pelo Google
TipoUFNº/AnoSituaçãoEmenta
ParecerGO6/2016IntegraGuarda de prontuários. Serviços médicos terceirizados. Dever de guarda da Instituição hospitalar Contratante. Responsabilidade do Diretor Técnico
ParecerGO5/2016IntegraO Médico cirurgião de cabeça e pescoço não pode, durante o ato operatório sob sua responsabilidade e em conjunto com o procedimento cirúrgico, realizar a monitorização neurofisiológica intraoperatória.
ParecerGO2/2016IntegraA técnica de reprodução assistida na modalidade de útero de substituição poderá ser realizada após aprovação dos Conselhos Regionais, em pessoas que não tenham parentesco até quarto grau, desde que não exista vantagem comercial entre a doadora teroporá ria do útero e a doado;a genética
ParecerGO1/2016IntegraNão é considerado antiético da parte da Direção do Nosocômio estabelecer gratificação médica com base em cumprimento de metas mínimas, desde que dentro da razoabilidade, que não condicione a número de procedimentos ou infrinja principalmente os artigos do CEM 14, 19, 20, 35, 32, 40, 67, mas também qualquer outro e que não se subtraia da remuneração principal do trabalhador como penalização por não cumprimento de metas.
ParecerGO11/2015IntegraO médico . deve obediência ao CEM em qualquer função e/ou especialidade. É dever dos diretores hospitalares exigir e oferecer recursos humanos e materiais para que o ato anestésico seja praticado pelo médico anestesiologista de forma individualizada e única conforme a Resolução CFM 1802/2006 preconiza cabendo denuncia formal ao CRM dos envolvidos quando tal não ocorrer.
ParecerGO10/2015IntegraO preenchimento dos campos de atendimento médico das CATs é de competência do médico assistente. Na impossibilidade do mesmo fazê-lo, este deve comunicar a empresa empregadora, que, por seu turno poderá utilizar-se de Médico do Trabalho da empresa ou outro médico estabelecido pela empresa ou pelo acidentado, sempre considerando os registros do prontuário ou relatório do atendimento ao trabalhador.
ParecerGO8/2015IntegraA Vulvoscopia e a Colposcopia são exames subsidiários distintos e o médico que os realizam deve ser remunerado por cada exame, separadamente.
ParecerGO7/2015IntegraA Resolução CFM nº 1711 de 10 de dezembro de 2003, em conjunto com a Resolução CFM nº 1886 de 13 de novembro de 2008, “estabelece parâmetros de segurança que devem ser observados nas cirurgias de lipoaspiração, visando garantir ao paciente o direito de decisão pós informada e aos médicos, os limites e os critérios de execução. ”
ParecerGO6/2015IntegraMédico na função de auditor de operadora de plano de saúde pode ter acesso ao prontuário do paciente, incluindo exames, laudos, pareceres e outros documentos pertinentes ao tratamento, resguardando o sigilo profissional.
ParecerGO5/2015IntegraA técnica de reprodução assistida na modalidade de útero de substituição poderá ser realizada após aprovação dos Conselhos Regionais, em pessoas que não tenham parentesco até quarto grau, desde que não exista vantagem comercial entre a doadora temporária do útero e a doadora genética, nem risco adicional para primeira por doença pré-existente.
Página Anterior1234Próxima PáginaÚltima Página

Mostrando página 2 de 8
73 registros encontrados
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner

© PORTAL MÉDICO 2016 - o site do Conselho Regional de Medicina do Estado de Goiás -Todos os direitos reservados
Rua T - 28 N° 245 - Qd. 24 - Lote 19 E 20 - Setor Bueno - Goiânia - GO | Cep: 74210-040 | Fone: (62) 3250-4900 | Fax: (62) 3250-4949 | E-mail - cremego@cremego.org.br
Entrada de Eventos - Rua T-27 Nº 148 - Qd 24 - Lote 12 E 13 - Setor Bueno - Goiânia - GO | Cep: 74210-030 | Horário de funcionamento: Segunda a Sexta - 08h00 às 18h00