Rede dos Conselhos de Medicina
Boletim Eletrônico Nº 550

 

LogoMarca_Cremego (1)

 

BOLETIM  ELETRÔNICO Nº 550

 

Cremego e Conselho Estadual de Educação vão atuar em conjunto em defesa da qualidade do ensino médico

O Cremego e o Conselho Estadual de Educação vão atuar em conjunto para assegurar a qualidade dos cursos de medicina em funcionamento em instituições goianas autorizadas pelo Estado. O Cremego também deverá ser ouvido pelo Conselho Estadual de Educação antes da autorização da criação de novos cursos de medicina em faculdades estaduais.

O primeiro passo para essa cooperação voltada para a melhoria do ensino médico em Goiás foi dado no dia 27 de fevereiro, durante reunião da diretoria do Cremego com o presidente do Conselho Estadual de Educação, Flávio Roberto de Castro. No encontro, o Cremego deixou clara a preocupação com a qualidade do ensino médico nas 16 faculdades em funcionamento no Estado, que atualmente formam cerca de 600 médicos a cada ano.

A criação indiscriminada de novos cursos de medicina voltou a ser criticada pela diretoria do Cremego, que em várias situações já se posicionou contra a autorização de abertura de novas faculdades sem as condições exigidas para seu bom funcionamento. O diretor Científico do Conselho, Waldemar Naves do Amaral, destacou que o Cremego quer participar da avaliação da qualidade das escolas para assegurar a boa formação dos médicos. “O Conselho quer opinar para proteger a sociedade e garantir escolas de qualidade”, reforçou o presidente do Cremego, Leonardo Mariano Reis. Leia mais.

 

Vetada a revalidação em diplomas médicos em instituições privadas

O Congresso Nacional manteve na quarta-feira, 4 de março, o veto presidencial à Lei nº 13.959/19, que institui o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituição de Educação Superior Estrangeira (Revalida). Atendendo ao pleito do Conselho Federal de Medicina (CFM) e de toda a categoria médica, o presidente Jair Bolsonaro e Congresso Nacional entenderam que o processo de revalidação deve ser realizado apenas em faculdades de medicina públicas (federais, estaduais ou municipais).

“Chegamos a uma vitória que confirma a força política e a proatividade da classe médica”, avaliou o conselheiro federal por Goiás e coordenador da Comissão de Assuntos Políticos do Conselho Federal de Medicina (CFM), Salomão Rodrigues Filho, que acompanhou toda a votação dos vetos presidenciais no Congresso Nacional e coordenou as ações e debates da autarquia com os parlamentares em torno da revalidação de diplomas por faculdades particulares.

Para ele, as estratégias do CFM foram acertadas e o engajamento dos médicos foi essencial. Salomão Rodrigues também destacou o apoio dos parlamentares goianos, médicos Alcides Rodrigues (Patriota/GO), Célio Silveira (PSDB/GO) e Zacharias Calil (DEM/GO), e do também goiano deputado federal José Nelto (PODE/GO). Ainda receberam elogios e agradecimentos de Salomão Rodrigues os trabalhos da Frente Parlamentar da Medicina, liderada pelo deputado Hiran Gonçalves (PP/RR), e dos deputados Dr. Luizinho (PP/RJ), Israel Batista (PV/DF), Felipe Francischini (PSL/PR) e Arthur Lira (PP/AL). Leia mais.

 

Cremego e Sociedades de Especialidades Médicas debatem a telemedicina

 

A regulamentação da telemedicina no Brasil foi o tema central da reunião, realizada no dia 18 de fevereiro, na sede do Conselho, entre conselheiros do Cremego e representantes de Sociedades de Especialidades Médicas. Durante o encontro, foram debatidas propostas dos especialistas goianos para a nova resolução do Conselho Federal de Medicina, que irá disciplinar o uso da telemedicina no País.

As sugestões, após aprovação também dos conselheiros, serão encaminhadas ao CFM como contribuições de Goiás para a consulta pública aberta pelo Federal para a elaboração da nova resolução que vai disciplinar a prestação de serviços médicos mediados por tecnologia. A consulta pública visa à atualização do texto da Resolução número 1.643/2002, atualmente em vigor e que estabelece parâmetros para a prestação de serviços por meio da telemedicina. Com essa consulta, o CFM busca elaborar uma resolução que atenda às necessidades dos médicos. Leia mais.

 

Sugestões para a revisão das normas de publicidade podem ser enviadas até o dia 20

O Conselho Federal de Medicina (CFM) até o dia 20 de março o prazo para o envio das propostas para a revisão da Resolução CFM número 1.974/2011, que trata das normas de divulgação de assuntos médicos. Os médicos e entidades interessados em enviar suas propostas devem acessar sistemas.cfm.org.br/consultapropaganda/ e registrar suas sugestões. Com essa consulta pública, o CFM quer ampliar o debate sobre a atualização da Resolução nº 1.974/2011, que regulamenta a propaganda e a publicidade médica.

 

CFM orienta sobre a prevenção e o combate à COVID 19 no Brasil

 

Diante da confirmação do primeiro caso de COVID 19, no País, o Conselho Federal de Medicina (CFM), preocupado como bem-estar individual e coletivo, reitera a necessidade de atenção às normas de proteção e às orientações advindas do Ministério da Saúde e das sociedades de especialidades.

Representantes da autarquia têm participado das discussões no Governo, colaborando com a elaboração do plano de contingência para o atendimento de prováveis vítimas, bem como de medidas para o esclarecimento da população e dos profissionais da saúde sobre o problema. Além disso, estão contribuindo com a construção de estratégias para a atuação dos médicos e demais profissionais envolvidos na abordagem direta dos possíveis paciente. Leia mais.

 

Mais de 30 Comissões de Ética Médica serão empossadas pelo Cremego no dia 10

Mais de 30 instituições de saúde de Goiânia e do interior do Estado terão suas Comissões de Ética Médica empossadas pelo Cremego no próximo dia 10 de março. A solenidade de posse, organizada pela Coordenação das Comissões de Ética Médica do Conselho, será realizada às 19 horas, no auditório do Cremego – Rua T-27, 148, Setor Bueno (entrada de evento).

Os membros das Comissões de Ética Médica são eleitos pelo corpo clínico das instituições e têm a tarefa de atuar como um “braço” do Conselho nas respectivas unidades de saúde, zelando pelo exercício ético da medicina. Confira a relação de instituições que terão suas comissões empossadas. Leia mais.

 

Curso de Ética Médica ainda recebe inscrições

As aulas da primeira turma do curso de Ética Médica promovido há mais de dez anos pelo Cremego começaram no dia 3 de março, mas os interessados em participar ainda podem se inscrever. O curso visa orientar médicos e acadêmicos de medicina sobre questões relacionadas à ética e à bioética e é ministrado na sede do Cremego – Rua T-27, 148, Setor Bueno (entrada de eventos).

Com o auditório quase lotado, a primeira aula foi realizada na noite de 3 de março com a participação do diretor de Fiscalização do Conselho, Erso Guimarães, e do 2º Secretario do Cremego, Fernando Ferro. O curso prossegue até 16 de junho. Leia mais e faça sua inscrição.

 

Crise HDT - Cremego manifesta apoio a residentes do HDT

A diretoria do Conselho Regional de Medicina do Estado de Goiás (Cremego) reuniu-se no início da noite de 20 de fevereiro, 20, com o secretário Estadual de Saúde, Ismael Alexandrino, representantes da diretoria do Hospital de Doenças Tropicais Dr. Anuar Auad (HDT) e dos médicos residentes da unidade.

A reunião, que já estava agendada entre a diretoria do Cremego e do HDT para tratar da assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta para sanar deficiências identificadas pelo Conselho no hospital após denúncias feitas pelos residentes e médicos em outubro passado, debateu também a situação atual da residência médica na unidade. Leia mais.

NA MÍDIA - Confira também uma das entrevistas do presidente do Cremego, Leonardo Mariano Reis, sobre a crise no HDT.

 

Participe da próxima edição da Revista Bioética Cremego

A próxima edição da Revista Bioética Cremego já recebe artigos para publicação. Os trabalhos podem ser cadastrados pelo link: bit.ly/2EswnCh

 

Artigo - Defesa do Médico Residente

 

Em defesa de todos nossos colegas e amigos médicos residentes diante de reajustes pífios a cada quatro a cinco anos da Bolsa de Residência Médica, que a deixa cada vez mais insignificante e absurda. 

Engraçado alguns staffs mais antigos que referem que se dedicavam única e exclusivamente à Residência Médica e cobram isso dos atuais residentes, como se hoje fosse uma opção. 

Em 2000, a Bolsa de Residência Médica representava quase 10 vezes o valor do salário mínimo.  Se corrigida para hoje, na mesma proporção, ela seria de R$ 10.173,13. 

No entanto, ao longo dos anos, enquanto o salário mínimo, inflação e juros, sofriam correções anuais, a bolsa se mantinha estagnada. E quando ocorria uma correção, a cada quatro ou cinco anos, nunca era nem de perto compatível com o valor do reajuste dos demais.

E a cada ano, a Bolsa de Residência se tornou cada vez menos representativa, até chegar ao ponto de ser incompatível com a manutenção de custos básicos. 

Não bastasse isso, a proposta inicial da Residência Médica, seria que o médico residente morasse no próprio hospital ou ao lado do mesmo. Além da Bolsa, portanto, o residente gozava de moradia e alimentação. O que não se vê em mais de 95% dos programas de Residência atuais. Leia mais.

 

AGENDA

V Colóquio da Federação Brasileira de Academias de Medicina

Data: 12 e 13 de março de 2020

Local: Cremego

Saiba mais

 

11ª Jornada Brasileira de Ultrassonografia Musculoesquelética será realizada no Cremego

Data: 27 e 28 de março de 2020

Local: Cremego

Saiba mais

 

Pós-graduação em Urgência, Emergência e Terapia Intensiva

Início: 03|04|20

Local: Goiânia

Promoção: Faculdade Unimed

Saiba mais

 

 

RODAP  CREMEGO ONLINE (SUPORTE)

 
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner
Banner